Trabalhos Aprovados 2022

Ficha do Proponente

Proponente

    Marcela Dutra de Oliveira Soalheiro Cruz (ESPM-Rio)

Minicurrículo

    Marcela Soalheiro é doutora pelo Programa de Pós Graduação em Comunicação Social da PUC-Rio com a pesquisa: Adaptação literária na cultura da convergência: clássicos e memória cultural. Tem graduação no curso de Comunicação Social – Cinema da UFF e mestrado no PPGCOM-UFF. É docente na ESPM-Rio no curso de Cinema e Audiovisual.

Ficha do Trabalho

Título

    A potência do reencontro nas adaptações audiovisuais contemporâneas

Mesa

    Intertextualidades, Afetos e Infernos

Formato

    Presencial

Resumo

    Este trabalho se dedica à análise da articulação espiralada da memória cultural de textos da literatura através dos seus deslizamentos intertextuais para o audiovisual, no cenário cultural e midiático convergente do final do século XX e início do XXI. Através da análise de Adoráveis Mulheres, romance de Louisa May Alcott (1869), e duas versões audiovisuais, de 1994 e de 2019, buscamos compreender as circunstâncias de reencontro, de memória e de afeto promovidas pela adaptação e pela recepção.

Resumo expandido

    Este trabalho é um recorte de uma pesquisa em desenvolvimento e se dedica à análise da articulação espiralada da memória cultural de textos da literatura através dos seus deslizamentos intertextuais para o audiovisual, no cenário cultural e midiático convergente do final do século XX e início do XXI. Propomos que o cenário contemporâneo produz um fenômeno de retomadas incessantes de textos clássicos pelo audiovisual, que é fortemente marcado pela aproximação das versões adaptadas com a cultura pop e com o público jovem. A retomada destes textos em contextos históricos, políticos e midiáticos diversos, produz instâncias de reencontros com narrativas amplamente conhecidas pelo público e pela indústria audiovisual, abrindo diálogos entre os textos fonte, suas versões e as perspectivas particulares do seu tempo histórico de produção. O reencontro articula a memória cultural do texto clássico com uma nova circunstância de recepção audiovisual resultando em um universo acumulativo e retroalimentado de referências. A matéria ficcional que está em processo de retomada no contexto histórico que recortamos revela os vieses discursivos (Stam, 2008: 467) dos seus processos específicos de produção e de consumo. Karen Hollinger afirma que o período é marcado por uma mudança no cenário de filmes norte-americanos comerciais feitos por mulheres para um público feminino. Uma das principais características do momento, para a autora, é “o retorno para a literatura clássica de autoria feminina como repertório fonte para narrativas centradas em protagonismos femininos.”. (2019: 84) Esse movimento realiza a retomada d a narrativa de protagonistas femininas que são importantes não somente para essas realizadoras, mas também para um público que as reencontra nas telas. Personagens que, por vezes, se recusam a permanecer nos lugares históricos e culturais nos quais foram escritas e inscritas, “se libertando das palavras com as quais foram inicialmente feitas.” (Felski, 2019: 86) São personagens que resistem ao passar implacável do tempo, seja na nossa memória, nas páginas escritas e lidas ou nas suas tantas versões nas telas audiovisuais. Propomos que são elas, as personagens, que nos fazem retornar.
    Sendo assim, através da análise da personagem Jo March, protagonista de Adoráveis Mulheres, romance de Lousia May Alcott (1869), buscamos entender como as experiências intertextuais e afetivas de recepção promovem circunstâncias de retorno e reencontro.
    O público tem duas oportunidades de reencontro com Jo March nas últimas três décadas: a primeira em 1994 e a segunda em 2019. As referências, assim como as escolhas intertextuais da construção narrativa da personagem em ambos os filmes, demonstram um desejo de ler a conhecida história das irmãs a partir dos seus contextos sociopolíticos e culturais de produção.
    A adaptação de 1994 foi roteirizada por Robin Swicord e dirigida por Gillian Armstrong, a primeira vez, após quatro adaptações para o cinema, que o romance é roteirizado, dirigido e produzido por mulheres. Através de uma leitura que buscava os potenciais subtextos políticos na narrativa, Swicord e Armstrong não só subscrevem à interpretação contemporânea da narrativa de Adoráveis Mulheres como parte de um processo de resistência e emancipação feminina à estrutura patriarcal do século XIX, mas também inserem mais uma camada, uma marca, que potencialmente pode ser lida neste sentido no futuro. Igualmente confrontada com o desafio de conciliar Jo March com uma perspectiva contemporânea, a versão de 2019, roteirizada e dirigida por Greta Gerwig dá um passo além neste viés (re) interpretativo, incorporando sensibilidades do tempo presente à subjetividade da personagem.
    A mirada analítica proposta por este trabalho nos interessa pela sua potência de dar relevo à historicidade que cada reencontro carrega em si, abrindo uma janela para a análise das intervenções que podem ser identificadas a cada repetição, em cada adaptação e em cada reencontro.

Bibliografia

    ECO, Umberto. Sobre os espelhos e outros ensaios. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1989
    ELLIOTT, Kamilla. Theorizing adaptation. Oxford University Press, 2020.
    JENKINS, Henry. Cultura da convergência. Aleph, 2006.
    FELSKI, Rita. Identifying with characters. In: Character: three inquiries in literary studies. University of Chicago Press, 2020 p. 77 – 126.
    FIGUEIREDO, Vera Lúcia Follain de. Narrativas migrantes: literatura, roteiro e cinema. Ed. PUC Rio, 2010
    HOLLINGER, Karen. From female friends to literary ladies In: Genre and contemporary Hollywood. Bloomsbury Publishing, 2019.
    HUTCHEON, Linda. Uma teoria da adaptação. Ed. da UFSC, 2013
    MARTÍN-BARBERO, Jesus. Diversidade em convergência. Matrizes: São Paulo. V. 8 – Nº 2 jul./dez. 2014.
    SIMONS, Judy The Afterlives of Louisa May Alcott: Greta Gerwig’s Little Women, Adaptation, Volume 13, Issue 2, August 2020, p. 279–281
    STAM, Robert. A literatura através do cinema: Realismo, magia e a arte da adaptação. Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2008.