Trabalhos Aprovados 2022

Ficha do Proponente

Proponente

    JULIA MARIANO DE LIMA ARAUJO (UFRJ)

Minicurrículo

    Mestranda na linha Tecnologias da Comunicação e Estéticas do PPGCOM ECO-UFRJ, na condição de bolsista da CAPES, possui graduação pela ECO-UFRJ (2006) e formação complementar em cinema, com especialização em direção de documentários no curso regular da EICTV (Cuba, 2005) e na Baden-Württemberg Filmakademie ( Alemanha, 2007). Atua também como diretora, roteirista e produtora no mercado audiovisual. Área de atuação: Comunicação, Cinema e Política, Arquivo, Memória, Direitos Humanos

Ficha do Trabalho

Título

    “NÃO TEM NINGUÉM COM MEDO AQUI! 2013 E SUAS IMAGENS DESTITUINTES”

Seminário

    Outros Filmes

Formato

    Presencial

Resumo

    A proposta é investigar os múltiplos pontos de vista possíveis de um mesmo acontecimento histórico através de diferentes arquivos e registros dos embates ocorridos em manifestações populares no ano de 2013 e que estão disponíveis na internet; com objetivo de refletir sobre os processos de subjetivação e legibilidade históricas, em cenários de acontecimentos hiper-filmados. Também nos interessa analisar o potencial arquivístico da internet como aglutinadora da produção de “outros filmes”.

Resumo expandido

    Esta proposta dialoga com a pesquisa de dissertação de mestrado em curso intitulada “Imagens Destituintes – Vandalismo e Ocupação dos Espaços de Poder nas Manifestações de 2013 e 2014 no Brasil”; desenvolvida na linha de Tecnologias da Comunicação e Estética, do PPGCOM da ECO-UFRJ. O objetivo da pesquisa é investigar imagens de confrontos entre as forças do Estado e a sociedade brasileira, analisando registros dos embates ocorridos em manifestações populares no ano de 2013/14 e que estão disponíveis na internet. Merecerão destaque atos que comumente são definidos como vandalismo pela opinião pública e assim parecem ter se fixado no imaginário coletivo. O termo “destituinte”, tomamos emprestado do filósofo Giorgio Agamben para pensar as imagens que desafiam o entendimento estabelecido sobre os poderes constituintes no Brasil.
    O material a ser estudado foi registrado por diversas mídias e arquivado na imensidão da internet, revelando múltiplos pontos de vista possíveis de um mesmo acontecimento histórico. Essa heterogeneidade de olhares/imagens e de registros será de especial importância na análise aqui proposta, porque é pela relação entre elas, pela montagem desses distintos olhares, que a pesquisa se desenvolve. Pela atenção aos gestos e características singulares dessas imagens em relação, propõe-se investigar os modos como tais arquivos dialogam com o passado e com o presente e, nesse movimento, como podem atuar nos processos de subjetivação e legibilidade históricas, em cenários de acontecimentos hiper-filmados e hiper-difundidos. Nesse sentido, também nos interessa refletir sobre o lugar da internet como aglutinador de “outros filmes” e seu potencial arquivístico.
    Utilizaremos na análise proposta para o ST “Outros Filmes” dois momentos específicos do ano de 2013: a ocupação pelos povos indígenas do plenário do Congresso Nacional, em 16/04/13 e a noite que ficou conhecida como “A Batalha da ALERJ”, no dia 17/06/13, quando manifestantes organizados na tática do Bloco Negro ocuparam as escadarias do prédio da ALERJ, travando um confronto com a PMRJ.
    Para a análise do momento de ocupação indígena do plenário do Congresso utilizaremos trechos do registro realizado pelo cineasta indígena Kamikiá Kisedje (https://www.youtube.com/watch?v=KKNYJRVzdSM) onde pode-se analisar a força do corpo coletivo indígena em ação e a reação dos parlamentares. Já na análise do dia 17/06/13 na ALERJ utilizaremos uma foto realizada pelo midiativista Daniel Cruz, onde se vêem os PMs acuados justo antes da ocupação da escadaria pelos manifestantes. Além da foto, analisaremos o registro realizado pelo midiativista Tamur Aimara (https://www.youtube.com/watch?v=uI2GPUDMYBM) e também um video-diário de um manifestante (https://www.youtube.com/watch?v=8dwPtcCJpe4) e suas questões em relação às imagens que assiste/registra na ALERJ.
    Entendemos a imagem não apenas como algo a ser visto, mas como uma forma de ver. Por isso, nos interessa retirá-la do lugar de objeto de conhecimento e colocá-la no lugar de método de conhecimento. Nesse sentido, a imagem dialética de Walter Benjamin (1990), surge como um conceito importante para nossa pesquisa. Pensando na mesma direção, a pesquisadora Ariella Azoulay e sua busca pelas histórias potenciais dos arquivos e a historiadora Sylvie Lindeperg e sua forma de ler a história através das imagens são importantes referências metodológicas. Georges Didi-Huberman e sua proposta de montagem dos arquivos a fim de dar a ver suas lacunas também nos é referência. O ST “Outros Filmes” nos interessa justamente pela possibilidade de nele interrogarmos os arquivos de 2013 para além de suas características estéticas, analisando tais arquivos pelos seus sentidos em disputa. Pensando na circulação e arquivamento dessa produção não canônica de filmes, nos interessa também refletir sobre o espaço da internet como um arquivo da multidão e possíveis metodologias de pesquisa a serem trabalhadas nesse oceano de informações e imagens.

Bibliografia

    AZOULAY, Ariella. Potential History, Unlearning Imperialism. Editora Verso, 2019
    BARON, Jaimie. The Archive Effect – Found footage and the audiovisual experience of history. London: Routledge, 2014.
    DIDI-HUBERMAN, Georges. Quando as Imagens Tomam Posição – O Olho da História, I. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2017.
    JOURDAN, Camila: 2013: memórias e resistências, Rio de Janeiro: Editora Circuito, 2018.
    LINDEPERG, Sylvie. O Destino Singular das Imagens de Arquivo: contribuição para um debate, se necessário uma “querela”. Belo Horizonte: Revista Devires, v.12, p. 12-27, 2015.
    MARTINS, Andrea França; ANDUEZA, Nicolas. O cinema de arquivo e (des)pedagogia das sensibilidades: uma imersão em outros espaços e tempos. In Acervo: Revista do Arquivo Nacional, v. 32, p. 64-77, 2019.
    MARTINS, Andrea França; ANDUEZA, Nicolas. Presente que irrompe – Fotogenia e Montagem. In Revista Eco-Pós (Online), v. 20, p. 145-160-160, 201