17/11 – Terça-feira – 17h

Duplo em Dostoiévski: A questão da identidade nos filmes de Ayoade e Villeneuve     

Fabíola Paes De Almeida Tarapanoff

“Doppelgänger”. Originário da mitologia germânica, o termo significa “duplo ambulante” e refere-se a uma criatura capaz de escolher uma vítima e “copiar” suas características. No romance “”O duplo””, Fiódor Dostoiévski traz a história de Yakov Petrovich Golyadkin e o encontro com seu sósia, que deseja ter sua vida. Instigante, o tema já foi abordado no cinema por várias vezes e em duas obras recentes: “”O homem duplicado”” (2014), de Denis Villeneuve e “”O duplo”” (2015), de Richard Ayoade. A proposta é apresentar uma palestra e abrir espaço para discutir a questão do duplo no romance e como se traduz no cinema. A metodologia inclui: levantamento bibliográfico e análise semiótica e dialógica das obras. A fundamentação teórica inclui autores como José Saramago, Dostoiévski, Mikhail Bakhtin, Irene Machado, Bella Jozef, Zygmunt Bauman e Stuart Hall.

Link da live: https://youtu.be/bJESQyy5WD4

 

18/11 – Quarta-feira – 19h

Cinema no Mundo em Colapso: formando outros desejos          

Kênia Freitas / Tatiana Carvalho Costa / Janaína Oliveira / Carol Almeida

Vinculada a proposta “Cinema no Mundo em Colapso: horizontes possíveis na cultura fílmica”, questionamos as (im)possibilidades de se pensar e fazer cinema em um mundo em processo de dissolução. A constatação de que as formações tradicionais em Cinema são insuficientes para dar conta de perspectivas fora dos centramentos branco, masculino, cis e hétero normativos nos parece evidente. Interessa-nos, então, mais do que reformar ausências e invisibilidades incontornáveis, o desafio de imaginar e desejar outros paradigmas para o ensino, a pesquisa e o pensamento sobre o Cinema. No debate chamamos para a conversa as ideias de Poética Negra Feminista de Denise Ferreira da Silva, de Nova Cultura Fílmica do Girish Shambu, da Fabulação Crítica com Saidiya Hartman, do Tempo Espiralar ao lado de Leda Maria Martins e de um Cinema-Quilombo a partir de Beatriz Nascimento. Tentando imaginar com essa constelação formas mais implicadas e opacas de ensinar e aprender na relação/ralação cinema e mundo.

Link da live: https://youtu.be/j8qmf-H80Ss

 

19/11 – Quinta-feira – 19h

Cinema no Mundo em Colapso: horizontes possíveis na cultura fílmica em conversa com Girish Shambu               

Janaína Oliveira / Carol Almeida / Kênia Freitas / Tatiana Carvalho Costa / Girish Shambu 

Com tradução de Carla Maia

Vinculada à proposta “Cinema no Mundo em Colapso: formando outros desejos”, a atividade consiste em estabelecer uma conversa sobre como o repertório discursivo em torno do conceito de tradicional de cinefilia não mais consegue dar conta de tensionar pontos centrais de nossa relação afetiva com o cinema. Se de um lado temos a cinefilia tal como ela foi estabelecida a partir de uma fortuna crítica muito sedimentada por noções de autorismo e os rituais em torno da figura do “autor”, do outro, temos a provocação do crítico Girish Shambu que nos lança o termo “cultura fílmica” e, com ele, nos permite pensar em outros paradigmas fundantes do cinema. Nossa proposta consiste, realizar o debate com o crítico Girish Shambu em torno da ideia de “cultura fílmica” e o que ele tem a nos dizer sobre a imanência e transcendência das imagens, sobre o direito à opacidade nas expressões audiovisuais e sobre práticas críticas e curatoriais que se desdobram quando nos deslocamos epistemologicamente de algumas chaves de análises fílmicas.

Link da live: https://youtu.be/op_QqnL5Vk0

Programação da semana (17/11 – 19/11)

Category: Notícias
3 views