Seminários Temáticos para o biênio 2015-2017

Cinema e Ciências Sociais: diálogos e aportes metodológicos

Resumo

    O objetivo deste seminário é incentivar a troca de experiências entre pesquisadores a respeito de como as ciências sociais podem intercambiar conhecimento e metodologias com os estudos de cinema. O desafio é refletir sobre como o objeto fílmico, sua construção formal e seu conteúdo expresso, constroem e difundem conceitos e ideias. A abordagem interdisciplinar tendo como centro de tensões o objeto fílmico se apresenta como inspiração para o desenvolvimento das reflexões que queremos empreender.

Resumo expandido

    O objetivo deste seminário é discutir questões relativas simultaneamente às ciências sociais e ao cinema. Como analisar um filme a partir das categorias das ciências sociais? Quais metodologias possíveis para a análise fílmica a partir do escopo teórico das ciências sociais? As perguntas de partida indicam a centralidade do objeto artístico para pensar uma sociologia da arte ou uma antropologia da arte. Os estudos que relacionam ciências sociais e cinema no Brasil, no entanto, carecem de uma discussão mais aprofundada no que se refere aos alcances e aos limites dessa abordagem específica, bem como no que se refere a uma metodologia adequada para esse tipo de pesquisa. O desafio é refletir sobre o objeto fílmico investigando como sua construção narrativa informa tanto os conceitos e as ideias aludidos por ele quanto o seu conteúdo temático propriamente dito.

    Recentemente os cientistas sociais têm se dedicado cada vez mais a pesquisas sobre as imagens, admitindo que elas são parte fundamental do mundo em que vivemos. Estudar a produção, a recepção e o sentido que adquirem as imagens na sociedade contemporânea é fundamental para que possamos entender seu funcionamento. Assim, imagem e contexto social se entrelaçam intimamente, estimulando os cientistas sociais a relacionarem estes dois elementos em suas pesquisas. O cinema e o audiovisual são, de maneira geral, temas privilegiados neste campo, já que perpassam o cotidiano de nossa existência social. É impensável conceber o mundo em que vivemos sem as imagens em movimento que nos atingem diariamente através da TV, do DVD, da internet e mais recentemente inclusive de nossos aparelhos celulares.

    Tradicionalmente os cientistas sociais têm se mantido afastados da análise fílmica e concentrados nas análises do contexto social da produção e da recepção da imagem. Trata-se de uma abordagem legítima e que tem sua trajetória própria dentro das ciências sociais. Entendemos, no entanto, que também é possível e mesmo desejável que o cientista social procure desvendar valores, intuições, crenças e ideologias que a própria obra cinematográfica difunde e que muitas vezes não são redutíveis ao contexto social de sua produção.

    Gostaríamos de refletir sobre uma metodologia de análise fílmica que ultrapasse as discussões que fogem do filme em direção aos conteúdos por ele sugeridos ou que restringem a análise a uma discussão técnico-discursiva. Alguns trabalhos pioneiros fundamentam esse percurso. Pierre Sorlin, em seu “Sociologie du cinéma” (1977), se interessa por analisar os filmes a fim de compreender como as imagens são construídas em uma determinada época (mise-en-scène social) e em um determinado espaço sociocultural. Para o autor, um filme não é expressão direta de uma realidade, mas uma realidade nova constituída enquanto filme, em sua dimensão simbólica, com hierarquias e escala valorativa própria. Na tela podemos encontrar imagens já incorporadas pela sociedade, mas também novas imagens, novas formas de ver e conceber o social, que podem e devem ser estudadas pelos cientistas sociais pois dizem respeito à construção social do imaginário. Em artigo recente, Jean-Pierre Esquenazi apresenta alguns elementos importantes para pensarmos uma sociologia do filme (revista “Cinémas” 17(2-3), 2007). O autor defende o diálogo da sociologia com a história da arte, a semiologia e os estudos de cinema para se empreender a análise fílmica. A abordagem interdisciplinar, tendo como centro de tensões o objeto fílmico, se apresenta como inspiração para o desenvolvimento das reflexões que queremos empreender.

    O seminário em questão procura justamente incentivar a discussão sobre como empreender uma pesquisa sobre cinema e audiovisual nas ciências sociais e incentivar que os pesquisadores troquem experiências a respeito de como as ciências sociais podem intercambiar conhecimento e metodologias com os estudos de cinema.

Bibliografia

    ESQUENAZI, Jean-Pierre. Éléments de sociologie du film. Cinémas v. 17, n. 2-3, p. 117-141, printemps, 2007.
    SORLIN, Pierre. Sociologie du cinema: ouverture pour l’histoire du demain. Paris Aubier Montaigne, 1977.

Coordenadores

    Mauro Luiz Rovai
    Carlos Francisco Pérez Reyna
    Marcius Cesar Soares Freire